Fitoterapia na inflamação

8 de Abril, 2020 0 Comentários

Otimize a resposta do seu organismo

POR:

Sandra Santos – Licenciada em Farmácia e Naturopata
Tânia Pires – Naturopata

A Inflamação é uma resposta protetora normal do organismo a uma agressão, seja ela externa ou interna. Quando ocorre, as nossas células de defesa entram em ação. No processo inflamatório, ocorre o aumento do fluxo sanguíneo e de outros fluídos corporais para o local lesionado, que se podem manifestar como calor, rubor, edema, dor e disfunção* .

O processo inflamatório pode ter origens diferentes*. Assim, podemos ter inflamação:

  • derivada de um agente externo patogénico (vírus ou bactéria, levando a amigdalites, otites, faringites);
  • quando o corpo sofre uma lesão (contusão, distenção muscular, tendinite);
  • quando o sistema imunológico fica em desiquilibrio (doenças autoimunes como artite reumatóide, lupus, fibromialgia, doença de Crohn);
  • quando existe degeneração osteo-articular, muitas vezes derivada da idade;
  • derivada de excessos e Intolerâncias Alimentares.

A Fitoterapia aborda a Inflamação como um processo que pode ser prevenido e minimizado. Através da utilização de plantas, com função anti-inflamatória tentamos repôr o equilibrio do sistema imunitário no dia-a-dia.

HARPAGO

O Harpago, também conhecido como Garra-do-Diabo, possui potentes propriedades anti-inflamatórias e analgésicas. Os seus principais constituintes fitoquímicos são os iridóides, destacando-se os harpagósidos, principais responsáveis pelas inúmeras propriedades da planta, nomeadamento as propriedade anteriormente descritas.

 BOSWELLIA

A Boswellia, ou incenso indiano, é uma árvore há muito utilizada na medicina ayurvédica assim como a sua resina. Os triterpenóides são os constituintes ativos da Boswellia, conhecidos como ácidos boswelicos. O ácido boswelico confere ao incenso indiano propriedades anti-inflamatórias. Estudos realizados com esta planta exibem uma evidente redução na inibição dos mediadores inflamatórios em diversas patologias*.

 BROMELAÍNA

A bromelaína é uma enzima proteolítica, ou seja, tem a capacidade de destruir proteínas, nomeadamente as que intervêm no processo inflamatório. A evidência demonstra assim a sua ação anti-inflamatória* possuindo no entanto efeitos secundários menores dos que geralmente associados à maioria dos anti-inflamatórios não esteróides, nomeadamente problemas renais, úlceras gástricas e duodenais.

 FREIXO

É uma planta rica em taninos, iridóides e cumarinas, conhecida pelas suas propriedades anti-inflamatórias e diuréticas, reduzindo edema através do aumento do volume de urina produzido, favorecendo a eliminação de produtos tóxicos presentes no organismo*, de acordo com a evidência.

CURCUMA

Sendo um dos mais poderosos anti-inflamatórios naturais é alvo de sucessivos estudos científicos, sendo as curcuminas os componentes mais activos nesse sentido. Os benefícios são abrangentes a vários sistemas, mostrando eficácia em diversas fragilidades, como situações relacionadas a um fraco sistema imunitário*. Em vários estudos, a Curcuma apresenta resultados anti-inflamatórios equivalentes a alguns fármacos e ainda com a vantagem de não apresentar efeitos adversos*. A nível metabólico também mostra um papel importante, como potente antioxidante, na neutralização de radicais livres*. A curcumina está ainda indicada para a doença inflamatória intestinal (Doença de Crohn* e colite ulcerosa*), pancreatite e artrite*. Possui também efeitos antialérgicos, melhorando a resposta das células imunitárias a alergias alimentares, na dermatite atópica e asma*.

Em suma, a utilização de plantas medicinais é uma ferramenta muito útil na otimização da resposta do nosso organismo às agressões diárias a que está sujeito. E o encanto da natureza está na capacidade sinérgica que estas plantas possuem no aumento da longevidade e bem-estar